O caminho...

Intento, ainda acanhada, entregar-me às letras, sílabas, palavras, frases e o que se pode obter dessa junção. Coisa linda a mistura das palavras.


Sempre fui encantada pela nossa Língua e tive a oportunidade de ter como mentora, na antiga quinta série, a professora de LP Maria Alice.

Seu saber e envolver a todos nós, seus alunos, fez-me, literalmente, apaixonar-me por uma mulher aos onze anos de idade

Paixão platônica, pueril, inocente e verdadeira. Nascida da admiração do saber e ir além fazendo os outros também participarem desse conhecimento espetacular, quanto se trata de se entregar à Língua Portuguesa.

Vivo pelos cantos, tanto internos quanto externos, de caderneta em punho e caneta entre os dedos. Do nada, vejo uma imagem ou ouço uma palavra perdida num bar e dali parto para uma história vinculada à alguma vivência minha, da infância difícil até a executiva promissora, e me abro para o mundo das letras.

Meus dedos percorrem rapidamente a caderneta anotando o que me for possível trazer à tona, num momento posterior, de pura entrega, dedicar-me a misturar palavras, ritmos, sentidos, além, de uma boa dose de singularidade.

É assim que construo sem pressa meus poemas, versos, sonetos, também minhas crônicas, prosas e contos.

Foi a poesia que me salvou de me destruir na minha mais pura e insólita melancolia.

Foi a poesia que me salvou de mim mesma, impediu que eu ultrapassasse a linha da imaginação e fosse para algum lugar nunca antes visitado.

É a poesia, o verso, a magnitude da construção literária que me mostram quem realmente sou.

Oras posso valer até um milhão, mas sei tão bem que não valho sequer um tostão.

Humana sou.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Hummm

'O pensamento preso,
Mesmo frente ao vistoso,
Jamais se desprende,
Do desgosto do mal e
Do desgosto do maL-Idoso...'. 


segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

#RespeitoXHipocrisia

Sem demagogia: 

Ao conhecer uma nova pessoa não tenho interesse em saber sua religião, formação, profissão, orientação sexual, etc. Motivo: Escolhas pessoais não tendem a interferir em possíveis relações futuras, qualquer que seja o grau.

Fiz questão e postar essa fala do professor, porque desde que me conheço por gente, penso exatamente dessa forma.

Todavia, sinto-me na obrigatoriedade de completar: Vi, e ainda vejo, muita gente representando um papel social, para ser considerado (a), 'POLITICAMENTE CORRETO (a)'.

Hipócritas: Ninguém deixa de ser racista, homofóbico (a), classicista, etc. e passa a ser 'do bem', favorável às causas sociais, solidários (as) à miséria alheia, etc.

Quem insiste nesse papel continua tentando enganar seu meio, e às vezes, triste, se auto enganar.

Caros (as): Caráter e Valores não se alteram conforme o 'cenário' sócio-político-econômico ou filosofias alheias. Esqueça: Isso não se aprende em classe.

Bem, quanto a mim: Enquanto você pensa que me engana, tenha claro, eu NÃO FINJO ACREDITAR, na sua performance. Por praxe, desconsidero suas MERDAS FASCISTAS, entendidos (as)? 

Obrigada.